Localização e informações | Pergunte ao doutor | Recomendar

O diagnóstico

Na estrutura teórica da medicina tradicional chinesa (mtc), que é de natureza filosófica, o conceito de Yin/Yang é central. Yin e Yang são duas forças opostas mas complementares, interdependentes e indissociáveis, as duas partes de um todo porque uma contém a outra e só podem existir coexistindo. Todos os fenómenos do Universo resultam da interação destas duas forças: o Yang corresponde ao céu, ao calor, ao externo, ao superficial, etc; o Yin corresponde à terra, ao frio, ao interior, ao profundo, etc. É uma oposição relativa, só sentimos o frio se conhecermos o calor, só percebemos o alto em relação ao baixo... Do constante equilíbrio/desequilíbrio/equilíbrio entre o Yin e o Yang resulta o movimento e a vida.

“O Homem está entre o Céu e a Terra”, é também o Universo. Assim, o conceito de Yin/Yang é também aplicável à anatomia e à fisiologia humana e é fundamental para o diagnóstico energético que é necessário para que um tratamento de acupuntura tradicional seja bem sucedido.O diagnóstico e os exames complementares, que o paciente habitualmente já trás consigo quando procura um tratamento de acupuntura, podem ser úteis na condução do processo, mas o que é determinante na prática é conseguir obter um diagnóstico energético bem feito.

Um tratamento de acupuntura e ou de fitoterapia chinesa pode conseguir melhorias muito interessantes, mesmo em casos considerados graves ou muito complicados, porque independentemente da gravidade do prognóstico se se conseguir fazer um diagnóstico energético correto e por conseguinte orientar um tratamento energético adequado o paciente poderá sempre sentir alívio ou melhoria efetiva do seu estado.

As alterações do estado de saúde em medicina chinesa são classificadas por “síndromas”, diferentes diagnósticos de medicina ocidental podem, em mtc, corresponder a um mesmo síndroma assim como a mesma doença em diferentes pacientes pode corresponder a síndromas diversos e por consequência levar a tratamentos diferenciados de pessoa para pessoa. Também, durante o decorrer de uma doença o “síndroma” pode alterar-se levando à alteração do tratamento. Este processo de ordenar os sinais e os sintomas e integrá-los num síndroma chama-se diferenciação de síndromas.

Os síndromas são classificados e “construídos” fundamentalmente a partir de um sistema chamado dos “oito príncipios” sendo que perceber se a doença é de tipo Yin ou de tipo Yang o primeiro e que vai condicionar todo o resto do diagnóstico. A classificação dos síndromas:

-Yin, interior, frio, deficiencia;

-Yang, exterior,calor, excesso,

sendo que interior e exterior referem-se à localização das alterações patológicas, por exemplo nos vasos sanguíneos ou na pele. Frio ou calor referem a natureza da doença, se apresenta sinais de frio ou calor como por exemplo membros frios ou febre. A deficiência e o excesso estão relacionados com a capacidade de resposta do organismo para reagir e com a intensidade do factor patogénico gerador da doença.

A partir destes oito princípios fundamentais, associando mais alguns outros que são complementares, é construído um diagnóstico que por exemplo para uma pessoa que sente dores e fraqueza na parte de baixo das costas e nos joelhos, tonturas, zumbidos nos ouvidos, insónia, excesso de sonhos, sudação noturna, vermelhidão nas faces, urina amarela, calor na palma das mãos e na planta dos pés: síndroma de deficiência do yin do rim. É esta a linguagem da mtc e da acupuntura tradicional.

Não são utilizados aparelhos nem máquinas para chegar ao diagnóstico. O processo obedece a um conjunto de procedimentos chamados “os quatro métodos de diagnóstico”: inspeção, interrogatório, escutar e cheirar, palpação e tomada do pulso.

A inspeção consiste na observação de todos os aspectos que são visíveis a olho nu em todo o corpo do paciente como a vitalidade, a cor da pele a forma do corpo, a postura, etc, e começa assim que o paciente entra no consultório. A inspeção da língua é porventura uma das peças mais importantes para o diagnóstico em mtc uma vez que a língua reflete o estado do QI (energia), do sangue, dos líquidos orgânicos e permite perceber o grau de profundidade da doença e a sua evolução.

O interrogatório consiste em inquirir o paciente acerca das principais queixas ( dores, insónia, tonturas, etc.), da história e evolução da doença, tratamentos feitos, sintomas atuais, etc. Um interrogatório bem feito é muito importante para um diagnóstico correcto.

Escutar e cheirar significa ouvir a voz e forma de falar do paciente, a respiração e sentir os odores do corpo. Palpação consiste em tocar e palpar zonas do corpo do paciente para sentir alterações de temperatura, sensibilidade, dores ao toque e à pressão, etc. A tomada do pulso consiste em sentir diversas zonas dos pulsos do paciente e perceber assim o seu estado energético.